Atenção leitores

Não trabalho com venda de plantas e não envio sementes.
COMENTÁRIOS - Peço desculpa. Infelizmente não estou conseguindo responder os comentários no tempo devido, na medida do possível vou fazendo
Os comentários passam por moderação e não são publicados de imediato, não serão aceitos comerciais.

FEEDBACK - Agradeço o recebimento de quem tem informações adicionais sobre as plantas postadas neste blog, especialmente se não concordarem com o que tenho escrito ou se têm dicas culturais adicionais, pois isso certamente ajudaria a todos.

30 de mar. de 2015

EUFÓRBIA-CHIFRE-DE-VACA, CACTO-ZIG-ZAG - ( Euphorbia grandicornis )



EUFÓRBIA-CHIFRE-DE-VACA, CACTO-ZIG-ZAG - ( Euphorbia grandicornis )

NOME CIENTÍFICO: Euphorbia grandicornis.



Nota: “grandicornis” significa “chifre grande”.


NOME POPULAR: eufórbia-chifre-de-vaca, cacto-zig-zag, Big horn, Rhino thorn.



SINONÍMIA: Euphorbia grandidens.



FAMÍLIA: Euphorbiaceae.



CICLO DE VIDA: Perene.



ORIGEM: Sul da África.



PORTE: Chega atingir 2 metros de altura.



FOLHAS: Dotada de minúsculas folhas somente num período do ano, a fotossíntese é feita pelos ramos verdes.



FLORES: De coloração amarela viva, geralmente formadas em grupos de três, sendo que a central é do sexo masculino e as outras duas bissexuais, despontam no final da primavera.



FRUTOS: São cápsulas de coloração arroxeada quando maduras, possuem três lóbulos.

 
EUFÓRBIA-CHIFRE-DE-VACA, CACTO-ZIG-ZAG - ( Euphorbia grandicornis )

TRONCO: Com espinhos fortes, que lembram chifres de vacas, tem coloração cinzenta e ponta mais escura, medem de 3 a 7 cm de comprimento.



LUMINOSIDADE: Sol pleno, meia-sombra.



ÁGUA: Deixar o substrato ligeiramente úmido durante a época de dias mais quente (seco entre regas) e quase completamente seca nos períodos mais frios.



Nota: Nunca deixar que acumule água em torno das raízes.



CLIMA: Aprecia clima quente.



PODA: Aceita bem ser podada para acertar seu formado e obter novas ramificações.



CULTIVO: Bastante rústica, de crescimento rápido, pode ser cultivada em qualquer tipo de solo, desde que tenha boa drenagem, pois água acumulada em excesso apodrece e mata a planta.



Nota: Ventos fortes irão ocasionar a colisão das colunas entre si, deixando cicatrizes com a perfuração dos espinhos.



FERTILIZAÇÃO: Misturar bem no substrato composto orgânico ou NPK fórmula 10-10-10.



UTILIZAÇÃO: Uma planta maravilhosa, bastante escultural, fica bem em vasos e jardins cultivada de forma isolada, em grupos ou fazendo composição com outras plantas, devida seus longos espinho deve ser evitada em local onda tenha transito de pessoas.


PROPAGAÇÃO: De fácil propagação, é feito por estacas que devem ser cotadas de preferência no final da primavera até o verão, antes de plantar deixe secar por 10 a 15 dias.



Nota: Usar luvas e proteger a vista com óculos de segurança, não deixar a seiva entrar em contato com a pele, se ocorrer lavar imediatamente com água e sabão.



PLANTA TÓXICA: Sua seiva branca é tóxica causando irritação na pele.



FOTOS DESTA POSTAGEM: Fotografei no Jardim Botânco Plantarum, local onde a planta pode ser vista bem de perto em todos seus detalhes.

EUFÓRBIA-CHIFRE-DE-VACA, CACTO-ZIG-ZAG - ( Euphorbia grandicornis )

29 de mar. de 2015

AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex )

AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex )


NOME CIENTÍFICO: Quercus ilex.


NOME POPULAR: Azinheira, alzina, encina, Evergreen Oak.



FAMÍLIA: Fagaceae.



CICLO DE VIDA: Perene.



ORIGEM: Região Mediterrânica da Europa e Norte da África.



PORTE: Geralmente de 15 a 20 metros de altura, mas podem atingir tamanhos maiores.



FOLHAS: De coloração verde escura e brilhante na página (face) superior e com indumento esbranquiçado na página inferior. 

AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex ) ´Detalhe da folha face superior
AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex ) - Detalhe da folha face inferior

FLORES: As flores masculinas em amentos (caracterizada pelo agrupamento de flores, numa longa estrutura estreita e cilíndrica, em forma de "cauda de gato") e as femininas em panículas (se caracteriza por um cacho - racimo).
AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex ) - Detalhe das flores masculinas

FRUTOS: É uma bolota de forma oval, revestido parcialmente por escamas.



TRONCO: Tem casca de coloração acinzentada ou parda, a madeira é dura e resistente.



LUMINOSIDADE: Sol pleno ou meia-sombra.



ÁGUA: Depois de adulta suporta solo mais seco, devendo ser regada somente no caso de estiagem bastante prolongada.


CLIMA: Mediterrâneo – clima temperado com estação seca no verão. Não suporta frio intenso.



PODA: Não é necessária, apenas poda de formação, com retirada de brotações laterais e ramos secos e mal formados.



CULTIVO: Não é muito exigente em relação ao tipo de solo, mas se desenvolve melhor nos férteis e que tenham boa drenagem.



FERTILIZAÇÃO: Por ocasião do plantio da muda, misturar bem na terra retirada da cova, esterco animal sempre muito bem curtido ou composto orgânico, após 1 ano aplicar ao redor do caule, nunca junto a ele NPK 10-10-10, incorporar levemente ao solo e regar em seguida.



UTILIZAÇÃO: Além de ser uma árvore que produz bastante sombra, fica maravilhosa em grandes espaços, seus frutos são utilizados principalmente como complemento de alimentação para o gado em épocas que o pasto fica menos produtivo.


PROPAGAÇÃO: Por sementes que perdem rapidamente a capacidade de germinar e também por enxertia.



PLANTA MEDICINAL: Os seus frutos tem propriedades medicinais.



FOTOS DESTA POSTAGEM: Fotografei no Jardim Botânico de Barcelona na Espanha.

AZINHEIRA, AZINHA - ( Quercus ilex )

28 de mar. de 2015

ARBUSTO-MEXICANO, MEXICAN GRASS TREE - ( Dasylirion longissimum )


ARBUSTO-MEXICANO, MEXICAN GRASS TREE - ( Dasylirion longissimum )

NOME CIENTÍFICO: Dasylirion longissimum.

NOME POPULAR: Arbusto-mexicano, dasilirion-liso, Mexican Grass Tree.

SINONÍMIA: Dasylirion quadrangulatum.

FAMÍLIA: Asparagaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: México.

PORTE: Pode atingir 2,5 a 5 metros de altura e sua copa 1,5 a  2,5 metros de diâmetro.

FOLHAS: Permanentes, com centenas de folhas finas e longas (1,2 metros de comprimento), de coloração verde acinzentada, sua é copa esférica e simétrica.

FLORES: Sua inflorescência é formada por flores de coloração branca que surgem no verão.

TRONCO: De textura lenhosa.

LUMINOSIDADE: Sol pleno.

ÁGUA: Suporta solo mais seco, regar de forma moderada no caso de ausência de chuva 1 vez por semana.

CLIMA: Tropical e subtropical.

PODA: Não necessária, as folhas secas podem ser retiradas.

CULTIVO: De crescimento lento, deve ser cultivado em solo que tenha boa drenagem, pois água acumulada mata a planta.

Nota: Para utilização desta planta deve ser previsto espaço para comportar seu tamanho no futuro.

FERTILIZAÇÃO: Não é muito exigente, mas por ocasião do plantio misturar bem no substrato um pouco de composto orgânico ou NPK fórmula 10-10-10. Depois de 1 ano aplicar cerca de 1 a 3 colheres de sopa (conforme tamanho da planta) sempre ao redor do caule, nunca junto a ele, incorporar levemente e regar em seguida.

UTILIZAÇÃO: Por ser bastante ornamental, não ter folhas com espinhos e serras nas margens, está sendo muito usada em áreas junto a piscinas, de forma isolada em pequenos grupos e também em grandes vasos.

PROPAGAÇÃO: Por sementes.

FOTOS DESTA POSTAGEM: Fotografei no Gran Flora Veiling Holambra na Tropical Plantas.