Atenção leitores

Não trabalho com venda de plantas e não envio sementes.
COMENTÁRIOS - Peço desculpa. Infelizmente não estou conseguindo responder os comentários no tempo devido, na medida do possível vou fazendo
Os comentários passam por moderação e não são publicados de imediato, não serão aceitos comerciais.

FEEDBACK - Agradeço o recebimento de quem tem informações adicionais sobre as plantas postadas neste blog, especialmente se não concordarem com o que tenho escrito ou se têm dicas culturais adicionais, pois isso certamente ajudaria a todos.

31 de ago. de 2011

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam. )

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.)
NOME CIENTÍFICO: Caesalpinia echinata Lam.

Nota: A Sibipiruna (Caesalpinia peltophoroides Benth) e a Tarumaí (Rhamnidium elaeocarpus Reissek ) também são conhecidas como Pau-brasil e muitos também confundem ao Pau-ferro ( Caesalpinia férrea ) com ele.

NOME POPULAR: Pau-brasil, ibirapitanga, muirapiranga, ibirapiranga ibirapitã, orabutã, brasileto, pau-rosado, pau-de-pernambuco.

Nota: Em Tupi Ibirapitanga significa: “madeira vermelha” 


PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.)
SINONÍMIA:Guilandina echinata (Lam.) Spreng.
 
FAMÍLIA: Caesalpinaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Brasil (Mata Atlântica).

PORTE: 8 a 12 metros de altura.

Nota: Em alguns livros, é citado um tamanho maior, que possivelmente tenha existido no seu habitat natural.

FOLHAS
: São compostas bipinadas, com um tamanho de 15 a 20 cm, com 5 a 7 pinas com 8 a 14 cm de comprimento e folíolos na quantidade de 6 a 10 pares por pina, com comprimento que varia de 1,5 a 2,5 cm. Quando novas tem coloração verde-clara, passando depois para verde-escuro.

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - Verde-claro quando novas e verde-escuro quando mais velhas

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - Folhas compostas - Com 5 a 7 pinas

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - De 6 a 10 pares de folíolos por pina
  
FLORES: As inflorescências são formadas por muitas flores de coloração amarela e com uma central modificada de cor vermelha, surgem a partir do mês de setembro.

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - Flores na primavera

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - Detalhe da flor
FRUTOS:  São do tipo vagem, que contem de 1 a 5 sementes, sua maturação ocorre entre novembro a janeiro.

TRONCO: Com 40 a 70 cm de diâmetro, tem a  casca acinzentada e recoberta de grossos acúleos (espinhos). A madeira é de excelente qualidade, bastante resistente, hoje ela é utilizada para confecção de arcos de violino.
Clique para ampliar
PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - Tronco com espinhos
Nota: Echinata significa “com espinhos” daí o nome científico.


PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.) - O tronco com o passar do tempo fica sem os espinhos
LUMINOSIDADE: Sol Pleno.

ÁGUA: Quando jovem manter o solo ligeiramente úmido, mas nunca encharcado, depois de adulta no caso de estiagem prolongada regue 1 vez por semana.

CLIMA: Quente e úmido.

PODA: Por ter uma copa bastante compacta, é comum quebrar galhos com ação dos ventos. Pode ser podada deixando ela um pouco mais aberta ou simplesmente cortar os galhos quebrados.

CULTIVO: Em solo rico em matéria orgânica e que tenha boa drenagem.

FERTILIZAÇÃO: Por ocasião do plantio abra uma cova, tamanho 40 X 40 e misture bem na terra retirada 20 a 30 litros de esterco animal. Após 60 dias iniciar adubo de cobertura, de 4 em 4 meses, com NPK, fórmula 10-10-10,  para ter floradas mais intensas.

UTILIZAÇÃO: Muito utilizado no paisagismo porque além de ter um belo porte suas folhas durante todos meses do ano estão presentes, sempre de forma vistosa.

PROPAGAÇÃO: Por sementes, germinam em até 15 dias após o plantio. As mudas têm um desenvolvimento bastante rápido, em 5 meses já estão em condições de serem levadas para o lugar definitivo.



PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.)
PREÇO: Em Limeira / SP, uma muda de 20 cm de altura, estava sendo comercializada por R$ 6,00.
  
PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.)
FOTOS DESTA POSTAGEM: Fotografei na chácara onde moro.  

PAU-BRASIL - ( Caesalpinia echinata Lam.)
 

30 de ago. de 2011

SERIGUELA, CIRIGUELA - ( Spondias purpúrea )


SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea)

NOME CIENTÍFICO: Spondias purpúrea.

NOME POPULAR: Seriguela, siriguela, ceriguela, ciriguela, ciruela, red mombin.

FAMÍLIA: Anacardiáceas.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: América Central e Sul. No Brasil é bastante encontrada na região nordeste.

PORTE: Atinge 7 metros de altura.

FOLHAS: São compostas, contendo de 9 a 11 folíolos, com bordas lisas.

SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea) - Folhas jovens de cor verde-clara

SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea) -  Ramos novos despontam no fim do inverno
FLORES: Quando termina o inverno, com a árvore totalmente sem folhas, surgem as flores ocupando parte da extensão de seus galhos

FRUTOS: De polpa fina e caroço grande. Parecem azeitonas grandes, são verdes quando jovens e tem coloração vermelha / amarelada quando maduros.

SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea)
SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea)
SERIGUELA, CIRIGUELA - ( Spondias purpúrea ) - Detalhe do fruto e caroço
SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea)
TRONCO: De baixa densidade.

SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea) - Detalhe do tronco
LUMINOSIDADE: Sol pleno.

ÁGUA: Manter o solo ligeiramente úmido quando a planta ainda é jovem, regando 2 vezes por semana, depois de estabelecida, ela é tolerante a períodos de seca e só não deixar de regar, se a estiagem for muito prolongada.

CLIMA: Quente e úmido.

PODA: Não necessária, mas como produz galhos baixos, dependendo onde estiver plantada, esses galhos poderão ser podados,

CULTIVO: É uma planta bastante rústica, que prospera em solos pobres, mesmo sem grandes cuidados ela irá responder, com  uma grande quantidade de frutos.
SERIGUELA, CIRIGUELA - (Spondias purpúrea)
FERTILIZAÇÃO: Por ocasião do plantio, incorporar no substrato utilizado na cova cerca de 20 a 30 litros de esterco bem curtido, após 2 meses poderá ser feito adubo de cobertura.

UTILIZAÇÃO: Pode ser consumida in natura ou utilizado na confecção de sucos, sorvetes e doces.

PROPAGAÇÃO: De forma mais fácil por estacas e por sementes (mais difícil).

PREÇO: Em Limeira / SP uma muda de 40cm de altura estava sendo comercializada a R$ 6,00.

FOTOS DESTA POSTAGEM: Em Mogi Mirim / SP na chácara onde moro.


SERIGUELA, CIRIGUELA - ( Spondias purpúrea )
SERIGUELA, CIRIGUELA - ( Spondias purpúrea )

29 de ago. de 2011

CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis )


NOME CIENTÍFICO: Spondias dulcis.

NOME POPULAR: Cajá-manga, cajarana, tapeberá-do-sertão, Ambarella.

SINONÍMIA: Spondias cytherea.

FAMÍLIA: Anacardiaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Ilhas da Sociedade do Pacífico Sul.

Nota: No Brasil é mais encontrada nos estados do nordeste.

PORTE: Em média 9 a 12 metros de altura, mas em seu habitat natural,  atinge alturas maiores.

FOLHAS: Suas folhas são compostas, tem de 11 a 13 folíolos, lisos, brilhantes de coloração verde claro quando novas e mais escuras quando mais antigas. No outono ficam amarelas e no inverno perde todas suas folhas.
  
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) - Detalhe de folhas jovens
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) -  Cada folha com 11 a 13 folíolos
FLORES: Pequenas e de coloração creme-esbranquiçado, surgem no final do inverno na ponta dos ramos, antes das  folhas.

CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) -  Detalhe das flores
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) -  Detalhe das flores
FRUTOS: Comestíveis, com casca de coloração amarelo-ouro ou pardacenta, com um grande caroço no centro da polpa que tem cor amarelo-alaranjada, quando maduro apresenta um sabor agridoce e levemente ácido. Frutifica de janeiro a abril.

TRONCO: Casca superficialmente fissurada, de  coloração acinzentada a marrom-avermelhada.


LUMINOSIDADE: Sol pleno.

Nota: Quando jovem em regiões muito quentes, a planta não deve receber sol direto nas horas mais quentes do dia, colocar uma tela de proteção 50%. 

ÁGUA: Depois de adulta, é tolerante a estiagens, podendo ser regada uma vez por semana no caso de ausência de chuvas. Quando jovem manter o solo levemente úmido, mas sem encharcar.

CLIMA: Prefere clima quente e úmido e não tolera geadas intensas.

PODA: De formação e retirada de galhos secos e mal formados.

CULTIVO: Prefere solo areno-argiloso, seus ramos são relativamente frágeis e ventos fortes os partem com facilidade.

FERTILIZAÇÃO: Aplicar 20 a 30 litros de  esterco bem curtido misturado ao substrato na cova (40X40) por ocasião do plantio. Após 2 meses poderá ser feito adubação de cobertura.

UTILIZAÇÃO: Seus frutos podem ser consumidos ao natural ou utilizado na confecção de compotas, geleias, sucos e sorvetes.

PROPAGAÇÃO: Por sementes e por estacas de ramos.

PLANTA MEDICINAL: Em diversos países do mundo são utilizados no tratamento de algumas moléstias.

PRAGAS E DOENÇAS: Resinose (Clique no link abaixo):


PREÇO: Em Limeira/ SP uma muda com 1 metro de altura estava sendo comercializada a R$ 8,00.

Nota: Estarei acompanhando o Cajá-manga que tenho aqui no sítio onde moro, colocando fotos, atualizadas.

NO INVERNO

No inverno todas as folhas ficam amarelas e caem, parecendo que a planta morreu, voltando a nascer no final do inverno / começo da primavera.

CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) - No inverno as folhas ficam amarelas e caem
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) - 18 Jul 2017
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) - Últimos frutos ainda podem ser vistos.
CAJÁ-MANGA - ( Spondias dulcis ) - Já sem todas folhas

28 de ago. de 2011

BABOSA - ( Aloe arborescens )


Suculenta arbustiva

 Aloe arborescens
NOME CIENTÍFICO: Aloe arborescens.

Nota: Existem mais de 100 espécies de Aloe, a Aloe arborescens é a mais cultivada em jardins de cidades em todo mundo.

NOME POPULAR: Babosa, babosa-de-arbusto, aloé, aloé-candelabro, aloé-de-natal, erva-de-zebra, caraguatá, caraguatá-de-jardim.

SINONÍMIA: Aloe perfoliata, Aloe succotrina, Aloe mutabilis.

FAMÍLIA: Asphodelaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: África do Sul, Moçambique, Zimbábue, Malaui.

PORTE: Chega atingir até 3 metros de altura.

FOLHAS: De coloração verde-acinzentada, longas, bem carnudas, seiva transparente (semelhante a um gel), as margens são dentadas com espinhos.

Deatalhe das folhas
FLORES: A florada acontece no inverno, são inflorescências altas com numerosas flores de coloração vermelha, laranja ou amarelas. É bastante atrativa para beija-flores e abelhas.

FRUTOS: Do tipo de uma cápsula.

TRONCO: Seu caule tem a base lenhosa.

LUMINOSIDADE: Sol pleno ou meia-sombra.

ÁGUA: Tolera o solo seco, mas não encharcado. Deixar secar entre regas, que pode ser feita 1 vez por semana, com volume maior nos dias quentes e menos nos dias frios.

CLIMA: Quente a temperado, não gosta de temperaturas muito fria e morre com geadas intensas.

PODA: Pode ser feita se for desejo

CULTIVO: Planta bastante rústica, resiste bem a ventos fortes e não é muito exigente em questão de solo, único detalhe muito importante se for cultivado no jardim tem que ter boa drenagem. 

 Aloe arborescens
FERTILIZAÇÃO: Não é exigente quanto a fertilização, prospera em áreas secas e de solo ruim. Mas para obter uma planta mais vistosa  aplique 3 vezes por ano NPK, fórmula 04-14-08, 1 colher de sopa para mudas pequenas e 3 para mudas maiores sempre ao redor do caule nunca junto a ele.

UTILIZAÇÃO: Fica mito bonita num jardim de pedras, em conjunto com outras plantas suculentas, ou mesmo solitárias, que principalmente na época da florada, terá um efeito ornamental magnífico.

PROPAGAÇÃO: Pode ser feita com “filhotes” que nascem entorno da planta mãe.Outro 
método bastante utilizado é a estaquia de folhas: corte a folha,deixe secar por um dia para selar o corte, agora é só plantar num substrato que tenha boa drenagem.

PLANTA MEDICINAL: Tem aplicação medicinal no tratamento de diversas doenças.

PREÇO: Em Holambra/ SP a muda no pote, tamanho PT14, estava sendo comercializada por R$ 5,25.e no PT24 a R$ 8,25.


Mudas comercializadas

27 de ago. de 2011

COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli )


COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli )
NOME CIENTÍFICO: Euphorbia milli.

Nota: Existem diversas variedades que diferem em tamanho e formato das folhas e cores das flores. No Brasil é encontrada as seguintes variedades: 

Breonii: Folhas de 15cm de comprimento;
Hislopii Brown: Folhas de 7cm de comprimento;
Imperatae: Folhas ovaladas e e flores pequenas;
Tananarivae ou lutea: Flores amarelas e folhas menores

NOME POPULAR: Coroa-de-cristo, coroa-de-espinhos.

Curiosidade: Em razão do fato de suas flores surgirem sempre aos pares, recebeu também os seguintes nomes populares: dois-amores, dois-irmãos, dois-amigos, bem-casados, colchão-de-noiva.

OROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli )
SINONÍMIA: Euphorbia splendens.

FAMÍLIA: Euphorbiaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Madagascar.

PORTE: 2 metros de altura.

FOLHAS: Tamanhos e formatos variam de acordo com a espécie. Durante o inverno a quantidade fica mais reduzida, dando mais destaque as flores.

COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli ) - Folhas diferentes conforme variedade

FLORES: Praticamente durante o ano inteiro.

COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli ) - Detalhe das flores
COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli ) - Atrai muitos insetos
TRONCO: Caule suculento com muitos espinhos.

COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli ) - Caule com muitos espinhos
LUMINOSIDADE: Sol pleno.

ÁGUA: Não tolera solo encharcado, mas suporta bem estiagens, regar 1 vez por semana no caso de ausência de chuvas. No inverno reduzir volume.

CLIMA: Prefere clima quente e seco

PODA: Pode ser realizada, deixando a planta no tamanho desejado. Manusear com luvas grossas para obter proteção contra os espinhos. Evite ter contato com o látex tóxico, o certo seria usar uma luva fina de borracha e por cima uma de raspa de couro.

CULTIVO: Gosta  de solo arenoso, para preparação de mudas utilize a seguinte mistura: 2 partes de areia grossa de construção, 1 parte de terra comum de jardim e 1 parte de terra. vegetal.

COROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli ) - Facilidade  no preparo de mudas
FERTILIZAÇÃO: Não é muito exigente em relação a fertilizantes, mas pode ser adubada 4 vezes por ano com NPK, fórmula 04-14-08, aplique sempre longe do caule

UTILIZAÇÃO:  Muito utilizada como cerca viva em locais onde não tenha o transito de pessoas que podem se ferir com seus espinhos.

PROPAGAÇÃO: Por estaquia, de forma bastante fácil é só cortar uma estaca, deixar durante uns dias, num local na sombra e ventilado até que o latex seque bem, após isso pode plantar no local desejado, com substrato adequado, é sucesso garantido.

PLANTA TÓXICA: O látex branco-leitoso pode provocar irritação na pele. Cuidados especiais deve ser dado a vista, pode causar cegueira se cair nos olhos. Use luva e óculos de proteção ao manuseá-lo. 


OROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli )
OROA-DE-CRISTO - ( Euphorbia milli )

26 de ago. de 2011

Blog: Meu Cantinho Verde

Olá amigos!

Ontem chegamos ao número de 200 seguidores.

E já estamos com mais de 600 visitas diárias em vários dias da semana.

Agradeço a todos  pela visita e participação.

Um abração a todos!








ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )



ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )
NOME CIENTÍFICO: Callistemon.

Nota: Existem mais de 30 espécies de Callistermon, mas as mais utilizadas são as Callistemon viminalis, Callistemon citinus e Callistemon speciosus.

NOME POPULAR: Escova-de-garrafa, calistemo, lava-garrafas, Bottlebrush.

FAMÍLIA: Myrtaceae.

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Oceania - Austália.

PORTE: Até 7 metros de altura.

FOLHAS: De coloração verde, pequenas, formato lanceolado, perenes e perfumadas.

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe da ponta dos ramos

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe da folha


FLORES:  De formato cilíndrico, é o ponto de destaque da planta, recebe o nome popular de escova-de-garrafa devido sua semelhança a este objeto utilizado para lavar garrafas.

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe da flor

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe da flor ainda não aberta
FRUTOS: Quando as flores morrem, dão lugar a frutos de tamanho pequenos e aderidos ao ramo.

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe dos frutos

TRONCO:Bastante rugoso e de coloração marrom acinzentada.


ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe do tronco
LUMINOSIDADE: Sol pleno.

ÁGUA: Manter o solo ligeiramente úmido quando a planta ainda for jovem, depois toleram ser regadas apenas uma vez por semana em caso de estiagem.

CLIMA: Quente ou ameno.

PODA: Realizar podas de formação se desejar deixá-la no formato de uma árvore, elimine galhos desnecessários e os brotos novos que irão surgindo. Não faça podas radicais, após florada a poda pode ser feita para estimular novas brotações.

CULTIVO: Bastante rústica e de baixa manutenção, de crescimento moderado

FERTILIZAÇÃO: Por ocasião do plantio, para uma cova de 40 X 40 cm, misturar bem ao substrato esterco bem curtido na proporção de 20 a 30 litros, ou aplicar NPK, fórmula  10-10-10, 10 colheres de sopa. Após 1 ano aplicar de 4 em 4 meses NPK 04-14-08 começando com 3 colheres de sopa, sempre ao redor do caule, nunca junto a ele. A medida que a planta for crescendo aumente a quantidade.

UTILIZAÇÃO: É bastante utilizada em jardins públicos e se for conduzida como arbusto pode ser usada como cercas-vivas.

PROPAGAÇÃO: Por estaquia de ramos e por sementes.

PREÇO: Em Limeira / SP uma muda com 70 cm de altura estava sendo comercializada por R$ 10,00.

FOTOS NOVAS: Fotografei em Mogi Mirim / SP no "Zerão" ponto turistico da cidade onde os moradores e visitantes fazem caminhadas ao redor de um imenso lago. 


ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )
ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )
ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe do tronco
ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon ) - Detalhe das folhas
ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )

ESCOVA-DE-GARRAFA - ( Callistemon )

NOVAS FOTOS

Nota: Em Holambra / SP estava sendo comercializada por R$ 17,50.

Callistemon citrinus
Callistemon citrinus
Callistemon citrinus